Esporte inspiração

6 fatos que fazem do rugby o esporte perfeito para as mulheres

Jogadoras da Seleção Feminina de Rugby ensinando novatas na modalidade – muitas delas jogando pela primeira vez – no aulão promovido pela OEC.  “Imagine um ambiente com mais de 20 mulheres. É fácil visualizar este grupo como sendo diverso? Bem, se este for um time de rugby, ficaria mais fácil afirmar que sim”, foi propondo esta reflexão que a rugby services manager, Marjorie Enya, iniciou, ao lado da jogadora Isadora Cerullo, uma conversa com a Olga Esporte Clube sobre os valores dessa modalidade que, apesar de ter chegado ao Brasil na mesma época que o futebol, só começou a se firmar por aqui depois dos anos 2000. Ambas conheceram o rugby na faculdade: Marjorie no curso de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) e Isadora, na Universidade Columbia, em Nova Iorque. Posteriormente, Marjorie se vinculou ao Spac, tradicional clube de São Paulo e, com o…

Amanda Nunes, leoa do octógono

A estratégia de luta de Amanda Nunes contra a americana Miesha Tate foi impecável: começou cheia de fôlego, implementando uma sequência pesada de golpes na trocação, partindo em seguida para um mata-leão fulminante, que foi demais para a adversária. E foi assim que, no último sábado, a baiana de 28 anos fez jus ao seu apelido de “leoa”. Foi assim que ela fez história no UFC. Ela desafiava Tate pelo cinturão dos pesos-galo, se tornando, com a vitória, a primeira atleta feminina brasileira campeã do UFC. Graças à Amanda, o Brasil voltou a ter um campeão linear na principal organização do MMA. Mas a vitória dela significa muito mais que isso. Ela também se tornou a primeira atleta assumidamente homossexual a ser dona de um cinturão. Desde quando começou a lutar, aos 16 anos de idade, a baiana natural de Pojuca se acostumou a ser a única mulher na academia…

Navegar